Background Image
PIOCERÁ
Traduzir para o inglês Traduzir para o espanhol Twitter oficial do Piocerá Blog oficial do Piocerá
Você está em: HOME > O EVENTO > HISTÓRIA

História

 

Cartaz da 1ª Edição do Cerapió
Cartaz da 1ª Edição do Cerapió

Um Homem e o seu Sonho

Assim se pode definir o Piocerá\Cerapió, um evento nascido pela vontade de se fazer algo de diferente, mas que ao mesmo tempo fosse prazeroso e empolgante, em uma região com poucas oportunidades para a prática de esportes, mas repleta de paisagens que nos fazem parar para admirar as belezas desse Brasil tão desconhecido e conhecer um povo acolhedor, carinhoso, que tem na sua fé a razão para sobreviver em uma região do país lembrada por miséria, pobreza e seca.

Mais do que andar pelas entranhas do nordeste brasileiro, o Piocerá\Cerapió é também uma viagem ao interior de cada um de nós, testando nossos próprios limites, muito mais que os limites das máquinas, é um teste pessoal e indiscritivel, uma sensação vivida somente por aqueles que já participaram ao longo desses anos de muita poeira, terra e lama.

São mais de duas décadas de muita aventura, de muito trabalho, amor e dedicação a uma prova que acontece no nordeste brasileiro e que hoje é considerada pela imprensa especializada, por pilotos e equipes, como uma das maiores prova off road do Brasil!

Organização do 1º Cerapió
Organização do 1º Cerapió

1987: O início de Tudo

Tudo começou em Abril de 1987, num bate papo informal entre Ehrlich Cordão e Galdino Gabriel. O Enduro era para ser chamado de Enduro da Integração, na idéia de unir os pilotos dos dois estados pioneiros na prática de enduro de regularidade na região norte e nordeste do país. O papo amadureceu Ehrlich Cordão, cuidaria da parte de marketing e divulgação e Galdino Gabriel, da parte técnica da prova.

O primeiro levantamento aconteceu no feriado de 7 de Setembro de 1987 feito por Gabriel e Alfio, um italiano recém chegado a Fortaleza . A conferência da planilha foi realizada no feriado do dia de finados, por Ehrlich Cordão, Gabriel e Franz George.

Durante o levantamento, os três desbravadores das trilhas descobriram uma área de terra em litígio entre os estados do Ceará e Piauí e numa conversa com um caboclo da região prá saber onde os três estavam, o mesmo falou que lá era o Cerapió-Piocerá! Foi então que a prova passou a ser chamada de Cerapió – quando sai do Ceará para o Piauí e Piocerá – quando o roteiro é inverso.

O primeiro Cerapió, aconteceu nos dias 5, 6 e 7 de Dezembro de 1987 com a participação de 36 duplas já oriundos dos principais estados brasileiros e com a presença da Imprensa nacional especializada; “Revista Motosport e Duas Rodas”.

Largada em Fortaleza - Cerapió, 87
Largada em Fortaleza, Cerapió 87
Largada em Fortaleza - Cerapió, 87
Pilotos do Cerapió 87

Largada em Fortaleza, Cerapió 87

Naquela época participavam DT 180 Yamaha, XLX 250 Honda e as Agrales 27.5, computadores de bordo nem pensar! A navegação, era feita por máquinas de calcular adaptadas, tipo " RallyControl " e tabelas pregadas nos tanques das motos, que auxiliava o piloto.

No início, só haviam duas categorias: graduados e novatos, que participavam em duplas e a tolerância para zerar o PC era de 30 ( trinta segundos ), dá para acreditar?

1989: A Odisséia Continua

Na sua 2ª edição o Piocerá partiu de Teresina e chegou em Fortaleza depois de 3 dias de muitas trilhas e areia pelo interior do sertão nordestino.


Os 84 pilotos que participaram desta edição enfrentaram situações difíceis durante a prova, dando prova de valentia e coragem.

1990: Uma Mistura de Competição e Turismo

Realizado entre os dias 5 e 7 de Janeiro de 90 e com a participação de pilotos de dez estados brasileiros e dezenas de pessoas que acompanharam a caravana do enduro, os pilotos enfrentaram 72 horas de muita beleza, garra e emoção.

1991: Paris-Dakar do Sertão

Em sua quarta edição, o Piocerá tornou-se a Primeira Etapa do Campeonato Brasileiro de Enduro de Regularidade.


Em sua segunda edição, o enduro Piocerá que ligou os estados do Piauí e Ceará, partindo de Teresina e chegando em Fortaleza contou com a participação de 108 enduristas de todo Brasil. A revista Veja publicou uma materia com o título “Começa o Paris-Dakar do Sertão”.

1992: Noite a Dentro

Em sua 5ª edição o Cerapió foi realizado entre os dias 09 e 12 de Janeiro, teve 1.100km de trilhas. Contou com a participação de 100 pilotos de 11 estados brasileiros.

Depois de um dia de descanso em Parnaíba (PI), a prova teve um fato novo, o último dia da competição foi disputado em percurso de trecho noturno, o que dificultou a trilha para os pilotos, já que nenhum piloto conhecia a trilha projetada pela direção, a largada aconteceu a meia noite de Parnaíba, passou pelo Parque Nacional de Sete Cidade e terminou no final do dia em Teresina.

1993: Atoleiro no Nordeste

Além de contar com 80 pilotos e 980 km de percurso, a edição de 93 que aconteceu entre os dias 14 e 17 de Janeiro, revelou uma grande surpresa. Na sua 6ª edição uma diversidade de terrenos e paisagens que nenhum piloto do sul imaginava ser possível de serem vistas nos estados do Piauí e Ceará. Areão, pedras e pasmem ate atoleiros, lama foram constantes nos 4 dias de prova.

1994: Campeonato Brasileiro de Enduro em uma única Prova!

A 7ª edição, valeu por 5 etapas do brasileiro de Enduro.
Pilotos do Ceará, Piauí, Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais enfrentaram 1.435km de muita trilha, serras, areia, praia e sertão.

1995: Pelas Brenhas da Caatinga

A 8ª edição do Piocerá que aconteceu entre os dias 10 e 14 de janeiro e que contou com a participação de 13 estados brasileiros, foi uma prova exemplar cheia de mistérios e emoções, incluiu locais exuberantes marcados por trechos de estradas de terra, trilhas, subidas e descidas de serra, caatinga e dunas.

1996: Até CG 125 Honda, Participa do Cerapió

Assim que ficou reconhecido o maior Enduro-Rally do norte e nordeste do Brasil, fazendo uma analogia ao maior Rally do planeta.


Entre os dias 19 e 21 de Janeiro de 96, com mais de 100 pilotos inscritos e 1000 km de percurso o Cerapió coloca em destaque nacional os estados do Piauí e Ceará, reunindo pilotos de todo o Brasil.
Destaque nesta edição foi uma dupla do Ceará, os irmãos Marcelo e José Porto, enfrentaram os desafios do Cerapió em cima de duas Honda CG 125, e pasmem, desbancaram motos de trail preparadas para um enduro.

1997: Estréia dos Carros 4x4 no Evento

Com 1380 km, 129 pilotos e navegadores, a 10ª edição do Piocerá aconteceu entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 97.


Alguns destaques da 10ª edição foram a estreia da categoria carros 4x4 na regularidade, deixando o Piocerá ainda mais completo e se consolidando definitivamente no cenario e calendario nacional dos eventos esportivos Off-Road, e apresentação da equipe Força e Ação, que animou todos os espectadores com suas manobras radicais pelas cidades por onde passou.

1998: Cerapião sai do Roteiro Tradicional

Sempre inovando dentro de uma prova que une emoção, adrenalina e velocidade, a edição de 98 contou com um tempero a mais. Geralmente disputado entre os estados que deram nome a esse prova Piauí e Ceará, na sua 11ª edição o estado do Maranhão foi adicionado ao roteiro do Cerapió.


E não foi somente isso de diferente que ocorreu nesta edição, com um percurso maior, foram feitas três provas dentro do mesmo evento. Rally, Enduro de Regularidade e Rally de Velocidade e Enduro FIM. Para sagrar-se campeão, os participantes tiveram que mostrar, raça e técnica em várias modalidades esportivas do off road. Assim nesta edição o Cerapião renova e cria o Triátlon do esporte Off Road.

1999: Mais um Desafio Conquistado

De 20 a 24 de Janeiro, foi disputada a 12ª edição do Rally Piocerá.
Foram 3 dias de competição e cerca de 1000km percorridos pelos mais de 200 inscritos que participaram de uma prova cheia de serras, trilhas fechadas e muita aventura feitas totalmente pelo sertão do Piauí e Ceará. Outra novidade foi a estreia da categoria “Expedição”, criada para os participantes sem a intenção de competir.

Leia sobre as edições mais recentes

Rally Cerapió 2012 – 25 anos e uma edição memorável

A 25º edição do Rally Cerapió/Piocerá brindou com sucesso o jubileu de prata e também coroou seus campeões nos carros 4x4, motos, quadriciclos e nas bikes. Com seis dias de evento e quatro dias de prova, muitos desafios enfrentados, até a premiação, ocorrida no dia 27 de janeiro com a entrega dos troféus, no Complexo Turístico da Ponte Estaiada Mestre Isidoro França, em Teresina-PI. Com direito a muita música, e celebração, após uma longa maratona cross country de rally. Além dos troféus para todos os cinco melhores colocados, o campeão de cada uma das categorias recebeu uma bicicleta de MTB Houston, fabricada especialmente para o rally. Inscreveram-se aproximadamente 350 competidores individualmente, sendo 168 motos, 41 carros 4x4, 25 quadriciclos e 82 atletas no Rally de Bike.
A edição comemorativa foi realizada no período de 22 a 27 de janeiro de 2012, mas o trabalho começou com a formulação do projeto e com a escolha do roteiro ainda em março de 2011. A partir de julho, começaram os preparativos com uma série de lançamentos por capitais do Brasil e também em Portugal. A Radical Produções realizou o lançamento em Teresina, capital do Piauí, em Mariana, Minas Gerais - durante o encerramento do Enduro da Independência, e em Brasília, Distrito Federal. Em todos os lançamentos, a organização fez a apresentação do projeto dos 25 anos para convidados, entre eles competidores, federacionistas e imprensa.
O projeto mais ousado foi o lançamento do Cerapió pela primeira vez na Europa. O lançamento em Lisboa aconteceu em dezembro de 2011 e foi possível graças ao apoio do Governo Federal, por meio da EMBRATUR, que aprovou o projeto e liberou recursos para as despesas referentes ao lançamento de dois workshops, para pagamento de mídia paga em revistas, peças promocionais, como cartazes, folders, coquetel, camisetas, entre outros. O diretor geral do Rally Cerapió, Ehrlich Cordão, ministrou workshop sobre o que é um rally de regularidade para pilotos, imprensa e federações esportivas portuguesas. O secretário Estadual de Turismo do Piauí, Sílvio Leite, ministrou workshop sobre as potencialidades turísticas do Nordeste, especialmente do Piauí e Ceará. Além disso, foram feitas visitas a clubes, como os da cidade de Porto Alegre e também de Lisboa.
A Federação de Motociclismo de Portugal (FMP) foi fundamental no gentil apoio dado ao lançamento, abrindo suas portas para que o evento pudesse ser divulgado diretamente a mais de 800 pilotos de moto e quadriciclo federados, por meio de carta enviada a cada um deles, apresentando o evento, e, ao mesmo, tempo, convidando-os a participarem da competição. A direção do Cerapió firmou importantes contatos com entidades portuguesas, como o Automóvel Club de Portugal (ACP), clube fundado em 1903, além de reunião com pilotos de quadriciclos do Norte do país, sócios do QuadriMania.
Por meio do lançamento do Rally Cerapió na Europa, o evento conquistou espaço em importantes veículos de comunicação especializados de Portugal, com reportagens e anúncios publicados nas seguintes revistas: TAP (bordo), Revista Moto Jornal, Revista LifeIn, Revista Motociclismo, Revista Moto Portugal (da FMP) e Revista Moto Verde (Espanha). Além disso, o evento foi divulgado para vários veículos de comunicação de Lisboa e também houve ampla divulgação do evento em centenas de veículos de comunicação impressos (websites e jornais) e televisivos no Brasil.
Considerado um dos rallies mais técnicos de todos os anos, a 25ª edição do maior rally de regularidade da América Latina contou com roteiros de belas paisagens e passagem por biomas diferenciados. Dunas, muita areia, praias, serras, matas e florestas virgens e preservadas, caatinga, asfalto, terra batida, lama e para dar um pouquinho a mais de sabor e adrenalina nos participantes muitos laços e/ou balaios deixaram a prova com um nível técnico ainda mais elevado, mesmo porque o Cerapió abriu o Campeonato Brasileiro de Quadri (CBM) e de carro 4x4 (CBA).
As bodas foram comemoradas em grande estilo, com percursos refeitos a dedo e com muita perícia, justamente para relembrar algumas passagens por trilhas desde a primeira edição do rally, em 1987, mesclando com lugares inéditos. O projeto dos 25 anos teve exatamente a proposta de refazer em cada um dos quatro dias de competição, para tornar o evento mais que memorável e, por que não, nostálgico? O diretor geral Ehrlich Cordão e sua equipe, composta por mais de 160 pessoas, em várias equipes, trabalhou muito para oferecer aos competidores uma prova nostálgica, mas também muito forte no quesito técnica apurada. Além disso, novamente a imprensa convidada marcou presença. Foram 40 profissionais da imprensa, entre eles a TV Globo – Globo Esporte, TV Brasil – Programa Stadium, TV Band Sports – Progrmas Super Motor e Quadri Sports, TV Meio Norte – Programa 100 Milhas, TV Clube-Globo, TV Aparecida- Goiás, Revista Pro Moto, Revista QuatroXQuatro Magazine - Itália, Revista Speed Way, Revista Bike Action, Revista Moto Verde, Revista Dirt Action, além de jornais e websites de várias partes do país.
"A prova inteira foi um espetáculo, mas nada se compara com o último dia onde as serras predominaram", afirmou Gil Martinelli, mineiro campeão de moto sênior. "Diverti-me muito competindo novamente no Cerapió, é sempre bom começar o ano com o pé direito, vencendo uma competição tão disputada como esta é melhor ainda!", disse, empolgado, o cearense de Fortaleza Paulo Picaccio Cabral, tricampeão da prova e primeiro na categoria executivo. O catarinense Guilherme Cascaes foi o campeão máster, ficando o piloto satélite da Honda e hexacampeão do Cerapió/Piocerá, capixaba Sandro Hoffmann, com o troféu de 2º lugar.
No seu jubileu de prata, o Cerapió teve um quê de nostalgia para os organizadores. A prova largou do Complexo Centro Dragão do Mar, na praia de Iracema, em Fortaleza, Ceará, no dia 24 de Janeiro, com destino a Trairi, ainda no litoral do estado do Ceará. Foi uma etapa para ficar na memória. Belezas naturais e muita técnica tornaram o dia muito especial e memorável. Apesar desse ano, organização e CBM concordarem que a prova de moto seria uma competição aberta, ficando apenas as disputas entre os quadriciclos e carros 4x4 como aberturas oficiais de suas respectivas confederações, sem dúvida, o Cerapió inteiro foi digno de disputas em alto nível.
Ceará e Piauí, mais uma vez, fizeram parte da rota do rally, em terrenos variados, onde os competidores levaram o ronco dos seus motores. Destaque para as cidades de Fortaleza - onde aconteceu a largada - no Complexo Cultural Dragão do Mar; Trairi, um paraíso de praias, como a de Flecheiras e Mundaú; Sobral - e suas serras deslumbrantes; Pedro II, já no Piauí - com seu Mirante no Gritador e seus casarões históricos; e Teresina, que teve a honra de receber os competidores no final da prova e mostrar os seus potenciais turísticos e econômicos. Mas como afirmou o diretor geral do evento, Ehrlich Cordão: "este ano a prova foi sensacional e separamos os homens dos meninos, pois nos empenhamos em realizar um roteiro bastante técnico e de cinema".
Para os carros, da categoria Graduado Especial, o troféu ficou com os cearenses José Augusto Sá Neto e Pedro Alcântara e o vice-campeonato com Marcelo Mendes e Breno Rezende, de Minas Gerais, seguidos de Maycon Gomes e Daniel Rocha, do Piauí. Os campeões da categoria mais difícil dos carros 4x4 comemoraram o título em dobro, já que esta edição foi premiada pela CBA como campeonato nacional cross country de regularidade, valendo pontos para o ranking nacional da competição.
Segundo José Augusto e Pedro Alcântara, o último dia de prova foi decisivo para sagrá-los campeões. "Ficamos muito felizes com o título, por ter sido em um grande rally e competindo com duplas excelentes", disse o piloto José Augusto, que mora em Fortaleza. Na categoria Graduado, o primeiro lugar foi garantido pela dupla de Macapá, Amapá, Manoel Gomes de Souza e Weidner Moreira. "Todo o esforço valeu a pena. Além de levarmos o troféu, começamos o ano muito bem pontuando no Campeonato Brasileiro", frisou o piloto campeão Manoel Gomes. O troféu para categoria turismo foi conquistado pela dupla do Distrito Federal, Luciano Almeida e Fabiana Petrocelli, que mostraram espírito esportivo e competiram contra eles mesmos, fazendo bonito nas trilhas mais desafiadoras do Ceará e Piauí. Na categoria Expedição, na qual o espírito é mais de passeio, reinaram duplas piauienses. Em primeiro lugar, Edmar Rodrigues Júnior e Naiara Evangelista.
De acordo com Cleyton Pinteiro, presidente da CBA: "Há muitos anos estávamos de olho no PIOCERÁ/CERAPIÓ e tínhamos a certeza de que este evento merecia estar no calendário da Confederação. Isso é resultado de muito trabalho e dedicação do organizador Cordão, e os demais membros da sua equipe, que tornaram maior rally de regularidade da América Latina", concluiu o dirigente.
BIKES – O Rally de Bike também fez parte dos 25 anos do Cerapió, embora sua primeira edição tenha sido realizada em 2011. O roteiro dos quatro dias deixou a trupe inteira maravilhada. Atletas de vários estados prometeram simplesmente voltar em 2013. O ciclista Jardel Silva, do Ceará, sagrou-se campeão da categoria Sub 30 com o tempo final de 10h41min53', este também foi menor tempo entre todos os atletas. Os quatro dias de prova se caracterizam pela grande variedade de terreno, com cerca de 300 Km de percurso.
"Esta é a primeira vez que a equipe vem ao rally disputar uma prova tão longa. Gostaria de agradecer a equipe pelo apoio, a minha família e a minha noiva Karine, que me deu muita força", disse o campeão Jardel Silva. O primeiro dia de provas aconteceu na praia do Cumbuco, no município de Caucaia (CE) e seguiu até a cidade de Trairi (CE). O segundo dia, a prova foi de Mundaú (CE) até Itapipoca (CE). O terceiro foi marcado por um circuito na APA da Ibiapaba, no município de Pedro II, no Piauí. No quarto dia de prova os ciclistas saíram da cidade de Altos (PI) até Teresina (PI). As mulheres foram presenças importantes no rally e com velocidade e confiança encararam todos os dias de prova, conseguindo completar todos os percursos. A campeã feminina Renata Rodrigues da Silva, de Pernambuco.

História: RALLY PIOCERÁ 2013

Mais um Piocerá, 26ª edição, sempre comemorativa. Para nós, é sempre muito além de um Rally. Este ano, a direção geral e as diretorias técnicas botaram mesmo foi para quebrar. A prova foi especial e minuciosamente organizada. O Circuito das Serras ou circuito Serras Nordeste foi o ponto central do roteiro reservado para mais de 600 competidores. Tivemos também um recorde de participação em algumas modalidades, uma delas foi às motos com 178 participantes. Nos carros, participaram 50 veículos, nos quadriciclos foram 28, 6 UTV e 60 bikes. Em todos os dias de competição havia trechos de serras, mesclando com terrenos planos e paisagens muito diferenciadas, o que faz do Piocerá o rali mais exótico, inóspito e exuberante do Brasil. Fora os trechos de deslocamentos, foram aproximadamente 1.100 km de trechos cronometrados para carros, Utv's, quadriciclos e motos e aproximadamente 400 km de percurso para as bikes.


1º dia – 22/01

TERESINA – PEDRO II

LARGADA 1ª MOTO – 7 HORAS

LARGADA DAS BIKES – 8 HORAS

PERCURSO MOTOS – 285 km

PERCURSO CARROS, UTV'S, QUADRICICLOS E MOTOS RALLY – 263 km

PERCURSO BIKES – 100 km – 82 km CRONOMETRADOS (TERESINA – CAMPO MAIOR)


O ponto de partida do primeiro dia de Piocerá foi a Ponte Estaiada Mestre João Isidoro França, na Av. Raul Lopes, em Teresina. A terra da cajuína, da sua deliciosa culinária típica, de muitos agitos culturais e polo de eventos de negócios, ficaram agitadas durante mais de três dias com as equipes oriundas de várias partes do país e também competidores de três países – Chile, Itália e Suíça.

O roteiro foi Teresina a Campo Maior para as bikes e Teresina a Pedro II para carros 4x4, motos, quadriciclos e Utv’s. O dia foi bastante técnico para todas as modalidades, mostrando que o Piocerá não teve refresco e nem tédio, do início ao fim. Fora isso, o Piocerá 2013 valeu por três campeonatos brasileiros – para motos, quadriciclos e carros 4x4, algo inédito neste que é considerado o maior Rally de regularidade das Américas. Assim, a parte técnica este ano foi mais temperada e muito bem elaborada com uma equipe que contou com 15 pessoas antes e durante o evento, entre direção geral, diretores de prova, coordenadores e abre-trilhas e vassouras. A prova foi um sucesso, com elogios de todos os competidores e como resultado disso nenhum recurso foi impetrado junto à equipe de apuração e cronometragem do evento.

Nesse dia, aconteceu a ação social “De Olho na Trilha”, em sua segunda edição, realizada na localidade Brejo, no município de Altos. Lá, médicos oftalmologistas e os diretores da Óptica Jockey atenderam mais de 60 pessoas, entre crianças, adultos e idosos, que foram contemplados com consultas e óculos gratuitos.

O dia teve vários pontos altos para carros, motos ,quadriciclos e Utv’s, como os campos de carnaubais, em Campo Maior, paisagem só explorada pelo Rally Piocerá. Outro destaque, dessa vez para as motos, foi a Serra de Santo Antonio, já no município de Coivaras. Uma passagem difícil onde os competidores encararam um trecho bem técnico apelidado de “Cotovelo da Burra”.

O ponto alto para as bikes foi à passagem no Vale do Dinossauro, próximo a Campo Maior. Um trecho de muitas pedras e dificuldades técnicas.


2º dia – 23/01

PEDRO II - UBAJARA

LARGADA 1ª MOTO – 7 HORAS

LARGADA DAS BIKES – 7 HORAS

PERCURSO MOTOS – 175 km

PERCURSO CARROS, UTV’S, QUADRICICLOS E MOTOS RALLY – 168 km

PERCURSO BIKES – 81 km – 78 km CRONOMETRADOS (CIRCUITO UBAJARA)


Dia marcado por serras. Para os carros 4x4, UTV, quadriciclos e moto rally a prova inteira foi bastante interessante, pouco cansativa e exigiu muita atenção com a navegação. O percurso para carros, quadriciclos, moto rally e Utv ,começou com um deslocamento curto de Pedro II até o Morro do Gritador, de onde seguem para a Descida do Caranguejo em direção a Alto Alegre (próximo à BR 222), um trecho de muitas trilhas em estradas de pedra e areia com muitos laços/balaios. Em Alto Alegre a prova passou sob a linha de alta tensão da Chesf. Esse trecho, bem radical, foi percorrido nas edições do evento em 1991/1992/1995.

Para as motos, logo no início do dia um trecho inédito e de grau de dificuldade técnico elevado, uma descida da Serra dos Matões onde, para se ter uma ideia, só passa a categoria Máster e Sênior. As demais categorias seguem pela Descida do Caranguejo. No decorrer do dia, vários trechos de muita areia, alguns laços que exigiram atenção redobrada. A prova passou pela região de litígio entre PI e CE, local que deu origem ao primeiro Cerapió, em 1987, e que até hoje é terra de ninguém. No município de Alto Alegre, as motos enfrentarão um trecho inóspito de trilhas variadas. Elas encerram o dia numa subida até chegar a Ubajara.

Para as bikes, uma etapa de muita velocidade deu emoção para o público espectador e altos registros em um circuito na região serrana de Ubajara. O destaque foi à travessia por áreas agrícolas de muitas plantações de frutas e hortaliças. Foram 81 km de trilha com terrenos firmes de chão batido, descidas e uma temperatura amena nas primeiras horas da manhã.


3º dia – 24/01

UBAJARA - GUARAMIRANGA

LARGADA 1ª MOTO – 6 HORAS

LARGADA DAS BIKES – 9 HORAS

PERCURSO MOTOS – 392 km

PERCURSO CARROS, UTV’S, QUADRICICLOS E MOTOS RALLY – 404 km

PERCURSO BIKES – 55 km – 46 km CRONOMETRADOS (CIRCUITO GUARAMIRANGA)


O mais longo do Piocerá. Os vencedores do dia foram os competidores que dosaram estratégia, resistência física e muita navegação. O início do dia teve predomínio de estradinhas de terra no meio de plantações de hortaliças e frutas, até Guaraciaba do Norte, de onde a prova desceu a serra por trilhas em um percurso de quase seis quilômetros até a localidade Pires Feitosa, daí seguiu para Varjota, passando pelo Açude Araras, o terceiro maior do Ceará. Depois os competidores deixaram o clima e vegetação mais ameno e verde e seguiram rumo em Santa Quitéria, onde o clima e a vegetação mudam completamente, dando ares de sertão e clima quente. Os competidores então rumaram para o Canindé em trechos de serras, predominando subidas até chegar ao Maciço do Baturité, chegando a mil metros de altitude e novamente clima mais ameno. Um dia de mudanças de paisagens radicais. Por fim, os competidores fizeram um deslocamento de 40 km até Guaramiranga, com médias horárias bem altas.

Para as bikes, expectativa total, pois promete ser a mais difícil e técnica de todas, com muitas subidas e descidas íngremes e um visual de tirar o fôlego. Para as motos, descida da Serra da Ibiapaba rumo a uma região mais seca e de altas temperaturas, beirando 38 graus e de baixa umidade do ar. O piloto estará solitário já que a região é pouco habitada. O diferencial serão as médias que estão bem justas, com bom índice técnico. O ponto alto do dia para todas as categorias é uma trilha de aproximadamente oito quilômetros, já no final do dia, subindo o Maciço do Baturité. Vale a pena estar lá e conferir.

Para as bikes, o terceiro dia de competição foi novamente um circuito, dessa vez na região de Guaramiranga (CE). Por ser uma etapa curta, também foi uma etapa difícil e a mais técnica, com apenas 55 km. Os atletas tiveram que enfrentar subidas íngremes e descidas intensas em meio aos vales que formam a região. Nesta etapa, o que chamou a atenção foi à beleza do lugar, tanto em sua geografia quanto na fauna e na flora. A beleza da trilha também se destacou nas charmosas casas ao longo do caminho, assim como os lagos. Além disso, o clima privilegiado ajudou os atletas.


4º dia – 25/01

GUARAMIRANGA - FORTALEZA

LARGADA 1ª MOTO – 8 HORAS

LARGADA DAS BIKES – 7 HORAS

PERCURSO MOTOS – 175 KM

PERCURSO CARROS, UTV’S, QUADRICICLOS E MOTOS RALLY – 208 KM

PERCURSO BIKES – 118 KM – 97 KM CRONOMETRADOS (PACOTI - FORTALEZA)


O 4º e último dia de prova começou com a travessia das serras do Maciço de Baturité. Os heróis da resistência deixaram Guaramiranga, percorrendo Palmácia, Guaiúba, Itacima e Aquiraz. Para as motos, ainda em Guaramiranga, a saída foi por trilhas perto do Pico Alto, o mais alto do Nordeste, com mais de mil metros de altitude. Em Palmácia, as motos passaram por dentro do leito de um rio. O ponto alto foi perto de Palmácia em uma trilha de aproximadamente cinco km – uma mistura de barro com pedras em estrada abandonada, onde passaram todas as categorias. No final da prova, dunas com alguns laços/balaios perto de Aquiraz, um trecho de cinco km de dunas. Única oportunidade para registros nesse tipo de paisagem. Vale a pena conferir (situar-se pelos tempos de passagem na planilha e mapa de apoio).

A prova para carros, motos, quadriciclos e Utv’s, terminou em Aquiraz, no Porto das Dunas, com direito a dunas e uma bela visão do mar e sol para fechar a 26ª edição. A chegada e fim de trilha para os competidores aconteceram no Centro de Eventos, um novo complexo de convenções de Fortaleza, com capacidade para 30 mil pessoas por evento.

Para as bikes, como no primeiro dia, a prova seguiu de uma cidade para outra, ou seja, de Pacoti a Fortaleza. A prova começou logo com um down-hill de muita velocidade na Serra do Baturité, depois um trecho longo de sertão, que exigiu hidratação total, e algumas trilhas até a chegada final.

Esconder

2000: Melhor Prova de Regularidade

A 13ª edição do Cerapio de 2000 foi marcada pela participação de mais de 250 inscritos e dispostos a enfrentar os 1000 km que competiram com carros e motos.

Os 1000 km de trilhas foram compostos com mistos de paisagens, veredas, sertões e dunas do nosso sertão e litoral nordestino, testando a habilidade e a resistência tanto dos pilotos como de suas máquinas, que aproveitaram a 1ª edição do século 21 de um dos melhores enduros de regularidade do Brasil, para descobrir os novos caminhos dos litorais piauienses e cearenses.


Através de uma eleição feita pela imprensa especializada e promovida pelo site www.planetaoffroad.com.br, o evento foi eleito como "a melhor prova de regularidade de 2000 do Brasil". (categoria imprensa)

2001: Entra em Cena a Turma do Pedal

Na edição de 2001, completando assim 14 anos de muita aventura, emoção, lama e pedra, o Piocerá incorpora mais uma modalidade, a Mountain Bike (Cross Country), veio somar junto com as motos e os carros 4x4, teve também outro recorde 143 motos, 97 carros 4x4 e 66 bikes.

2002: Debutando com Estilo

Em 2002 o Cerapió\Piocerá completou 15 anos.
Estiveram envolvidos diretamente no evento uma caravana de mais de 700 pessoas de quase todos os estados brasileiros. Foi uma grande festa do esporte off road que atravessou uma das regiões mais belas do palneta, completamente encharcadas de muita lama, rios e riachos transbordantes. Os vencendores foram premiados com bicicletas personalizadas com a marca do evento produzidas pela Houston Bike.

2003: Pra Cima e Avante

Com 1.600 km de muita emoção e muita, muita serra, entre os dias 21 e 26 de Janeiro foi realizado a 16ª edição, a maior de todas as edições, com largada de Teresina e chegando à praia de Iracema em Fortaleza.


Neste ano o percurso passou por lugares abençoados por uma beleza incrível, Juazeiro do Norte, terra do "padim Padre Cícero", encravada no vale do Cariri, sul do Estado do Ceará.

2004: Produto da Rede Globo Nordeste

Na sua 17ª edição o Cerapió contou com uma grande quantidade de participantes, 344 competidores, batendo assim o grid de grandes rallies, divididos entre motos, carros 4x4 e 4x2, quadriciclos e bikes, mais a nova modalidade, Jeep.

Com o sucesso do evento crescendo a cada ano, em 2004 o Piocerá\Cerapió junto com a Rede Globo Nordeste, fecham parceria e o Cerapió "Rally do Nordeste" torna-se um produto comercializado por uma das maiores redes de comunicação do mundo.

2005: Atinge a Maioridade

A 18ª edição foi à maior em termos de estrutura organizacional, cobertura jornalística, e modalidades por evento tendo varias provas diferentes acontecendo ao mesmo tempo: Enduro de Regularidade e Rally, Mountain Bike, Teste Especial de Velocidade e Enduro a Pé. Tudo isso para comemorar com grande estilo e com direito até a corte de bolo, os 18 anos de uma prova feita com muito amor, dedicação e trabalho.

Largando de Teresina, o Piocerá percorreu 1.400km de trilhas, e chegou ao Hotel Parque das Fontes, em Beberibe.

Em 2005 foi realizada dentro da categoria Turismo do Piocerá 2005 a Copa Toyota Hilux Expedition que contou com um roteiro cheio de belezas naturais. Outra conquista que entrou para a história do Piocerá\Cerapió foi à apuração de dados via satelite através do sistema Kaboo.

2006: Cerapió é Tema de Samba Enredo

A 19ª edição do Cerapió foi à maior já realizada, com 1.630 km de percurso e passando por 4 estados: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Piauí. Bateram-se recordes na distancia do percurso, no número de competidores, mais de 500 inscritos nas cinco modalidades e recorde de acessos ao site oficial do evento.


Em 2006, a escola de samba Skindô, homenageou o evento, utilizando como tema para seu samba enredo para o carnaval de Teresina, consagrando-se Campeã após um jejum de 15 anos. É o Cerapió na folia e na cultura popular: Rally em ritmo de samba, tudo haver!

2007: Estréia o VeloPiocerá!

Em 2007, o Piocerá incorpora mais uma prova, a Cross Country. Uma prova de velocidade para veiculos 4x4, onde, vários competidores e equipes de todos os Estados do Brasil vêm participar da prova de velocidade que abre o calendário Off Road brasileiro.

Também pela primeira vez, é aberta a categoria caminhões 4x4, exclusivamente para a prova Cross Country, tendo como único representante a equipe Curinga que colocou nas trilhas o caminhão Kalango, um Mercedes Benz 1720A.

2008: Hora de Sair de Casa.

Na sua 21ª edição, o Rally Cerapió, sai do seu roteiro tradicional e com estilo. Largando de Fortaleza-CE no dia 23 de Janeiro em direção a Recife-PE passando pelas cidades de Mossoró, Natal e João Pessoa. É o Cerapió descobrindo novos caminhos e levando essa emoção para novos lugares.

Neste mesmo ano, um piloto na categoria moto se destaca entre os demais, Sandro Hoffman do Espírito Santo, fatura o sexto título (2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2008) e consagra-se como o maior vencedor na história do Enduro-Rally Piocerá\Cerapió.

2009: Entra na Era do Satélite/GPS

Na sua 22ª edição, o Piocerá retorna as suas consagradas trilhas pelos sertões do Piauí e Ceará, revivendo os tempos de gloria quando se deu inicio a uma das provas mais famosa do esporte Off Road brasileiro.

Em 2009 foram feitas algumas mudanças, a começar pela realização de um prólogo, uma prova de tomada de tempo somente para os carros do VeloPiocerá, um evento nunca antes realizado.

Outro fato bastante importante para a edição 2009 foi a divisão em duas etapas por dia, totalizando 8 etapas, apuração por GPS, feita pela empresa TOTEM, algo novo e que so veio aumentar a disputa entre os pilotos, já que qualquer erro significaria alguns pontos perdidos no final do dia.

Em relação às trilhas, fato que consagrou o Piocerá\Cerapió como a melhor prova de regularidade do Brasil, o grande diferencial foram trilhas exclusivas para as motos, fato esse possível graças à apuração por GPS.

Ao longo desses 20 anos, cresceu e evoluiu juntamente com as motos: naquela época participavam, DT 180 Yamaha, XLX 250 Honda e as Agrales 27.5, motos importadas, puro sangue só no sonho. Computadores de bordo nem pensar! A navegação, era feita por máquinas de calcular adaptadas, tipo " RallyControl " e tabelas pregadas nos tanques das motos, que auxiliava o piloto.

No início, só havia duas categorias: graduados e novatos, que participavam em duplas e a tolerância para zerar o PC era de 30 ( trinta segundos ), dá para acreditar?

 

2010: Muito além de um Rally...

Na sua 23º edição o Rally Cerapió 2010 teve seu pontapé inicial no dia 25 de Janeiro, no estacionamento do Hotel Vila Galé, na Praia do Futuro em Fortaleza-CE, com sua largada promocional no dia 26, tendo uma estrutura e organização que já mostrava para os competidores o tamanho do Rally, deixando todos ansiosos para a largada oficial no dia 27 na praia do Cumbuco.


E como já faz parte da Família Cerapió / Piocerá, seu lado social foi um dos grandes destaques nessa edição com a arrecadação de alimentos para as vitimas do terremoto que atingiu o Haiti, arrecadando mais de 05 toneladas de alimentos que foram enviados pela equipe da Cruz Vermelha, órgão mundial de ajuda humanitária.


Os competidores de Regularidade (carros, motos e quadriciclos), tiveram a largada do Restaurante Velas do Cumbuco no dia 27, seu primeiro dia de prova foi marcado por muita areia, trilhas fechadas, navegação e visual inesquecível na região do Cumbuco e segue assim até o final da primeira etapa na praia da Taíba. Carros e motos fazem percursos diferentes em vários trechos, priorizando trilhas, veredas no meio da mata fechada principalmente para motos.


No dia 28, o segundo dia de prova, o mais longo da 23º edição, e com um roteiro bem diferente em relação ao tipo de terreno do primeiro dia, seguiu-se em direção ao sertão, mudando completamente o visual. O roteiro será o mesmo para todos os competidores até a cidade de Itapipoca, muitas estradinhas de terra e areia, médias horárias apertadas e várias surpresas ao longo do percurso, como por exemplo, a travessia do Rio Mundaú no meio do sertão cearense.


Nosso 3º dia de prova foi espetacular! No dia 29 os roteiros foram completamente diferentes na maioria dos trechos e exigindo muita navegação. No trecho entre Ubajara e Tianguá, estradinhas de terra atravessando os sítios de flores, plantações, um clima serrano, neblina, um começo de dia pra ficar na memória de todos. Após Tianguá, os carros vão pelo covão e as motos descem a famosa trilha de “Quatinguaba”, a mesma trilha usada no Piocerá 1995.


Dia 30, último dia de prova partimos em direção a praia de Maceió - CE, um visual de encher os olhos, depois uma travessia sobre as dunas que estavam sinalizadas até o povoado Cangalha. Muitas estradinhas de areia boa para acelerar, e médias horárias justas até o primeiro neutralizado na cidade de Barroquinha ainda no Ceará. Continuamos em direção ao Piauí em estradinhas de terra e areia no sertão quente. Depois de Chaval a prova se dividiu, os carros foram para um lado e as motos tonaram rumo à lagoa dos camelos, passando pelos mesmos pedrões da edição de 2009. Mais trilhas até Camurupim já no estado do Piauí.


Nossa galera da Bike teve sua largada na cidade de Paraípaba no dia 27, a cerca de 100 km de Fortaleza e chegada em Trairi, na praia de Flexeiras. Os atletas encontraram uma trilha que mistura estradas vicinais de solo arenoso, piçarra, terra firme, asfalto e algumas dunas no final da etapa dando muita emoção já no primeiro dia.


No segundo dia de prova a saída foi de Sobral mais precisamente na Serra do Jordão rumo a Ubajara começando essa etapa com 508m de altitude com desnível acentuado tendo uma vista maravilhosa das serras, aonde se chega aos 155m de altitude, a trilha é muito sinuosa e em alguns pontos a travessia só pode ser feita a PE com a Bike nas costas. Chegando à etapa mais temida de toda a prova, a Serra da Ibiapaba, que possui uma das vistas mais lindas desse trecho, foram percorridos mais 8 km de subida que parecia mais uma parede de pedras onde o inicio da subida possui 190m de altitude e chega ao final com  mais  898m de altitude. De acordo com os ciclistas, o segundo dia de prova foi show.


Chega então o terceiro dia de prova, saindo de uma área serrana, a Igrejinha do Céu em Viçosa da em direção as praias paradisíaca de Camocim, começaremos essa decida com mais 800m de altitude, chegando à praça de eventos em Camocim, a beira mar.


Chega ao fim nossa prova de bike que por muitos foi considerada a melhor de todos os tempos, aconteceu com a largada do Centro Cultural de Parnaíba (Quadrilhodromo) em Parnaíba/PI, teve um total de 61 km de prova com um misto de asfalto, calçamento, piçarra e muita trilha arenosa, com sua chegada em Luis Correia no SESC Praia.


O VeloCerapió começa com uma grande prova, o “Prólogo” que foi realizado no dia 26, em uma área que proporcionou muita emoção aos pilotos, com muita areia e velocidade marcando esta prova que ficou responsável por definir a ordem de largada dos pilotos de Cross Country do Rally.


No dia 27, primeiro dia, a prova do VeloCerapió foi realizada em meio a um paraíso natural composto pelas mais belas praias do litoral cearense, saindo do Pecém ate sua chega em Flexeiras, portanto o  piso básico é areia de praia que poderá ser bastante alterado em função da altura da maré na hora da competição. Os pilotos tiveram que ter muito cuidado com os maceiós (riachos que chegam ao mar) que deram muito trabalho para os navegadores, esses tiveram que controlar a temperatura do motor, pois estavam correndo a favor do vento!


Depois disso foi verificado alguns problemas técnicos na primeira etapa da prova, segundo muitos protestos por parte dos competidores que ocasionou mudanças já para o 2º e 3º dias de competição, com isso foi mantido o mesmo trecho de Itapipoca (CE) a Miraima (CE), o segundo dia de VeloCerapió foi composto por trilhas que deixaram os pilotos pisarem à vontade. Com um solo firme e algumas retas, os competidores do Cross Country de Velocidade do Cerapió aproveitaram um trajeto de 125 km entre as cidades de Itapipoca e Miraima ainda no Ceará, teve ainda alguns saltos e passagem por pequenos riachos, como foi mencionando o terceiro dia de Velocidade, que também repetiu o mesmo trajeto do segundo dia, sendo assim os pilotos aproveitaram para arriscar um pouco mais na trilha, porque todos eles já conheciam bem o trecho e puderam fazer observações ajudando assim a ter uma prova mais técnica.


A última etapa do VeloCerapió foi realizada no sábado (30) em um circuito especial nas dunas de Luiz Correia, já em solo piauiense. A largada foi feita às 11h e foi crucial para definir os vencedores do VeloCerapió 2010. A prova aconteceu nos terrenos que margeiam as dunas apresentando terrenos irregulares exigindo assim prudência e técnica dos pilotos uma prova disputada sem planilhas, apenas com GPS A etapa final de velocidade do Cerapió teve 100 km de extensão e foi disputada em duas etapas, a primeira etapa com uma volta de 50 km e, após uma pequena pausa de 60min, a segunda etapa outra volta de 50 km no sentido oposto, terminando assim o VeloCerapió 2010.


Com isso o Piauí foi à parada final dos mais de 300 competidores do Rally Cerapió 2010, com três competições em uma: Regularidade, prova para quadriciclos, carros 4x4, carros 4x2 e motos; VeloCerapió, válida para carros 4x4, e o Rally de Bike, Luís Correia, no litoral do Estado fez a recepção da caravana. A premiação foi às 22 horas no SESC Praia.


Após a parada final no SESC Praia, todos os participantes do Cerapió se deslocaram até a cidade de Parnaíba, onde uma multidão esperava euforia pela caravana do Rally Cerapió 2010.


Cada competidor, cada pessoa que participou dessa grandiosa organização do evento recebeu sua medalha de honra ao mérito. Desde o dia 25, que cerca de 150 pessoas trabalham incansavelmente paro o evento acontecer. Satisfação, alegria e desejo de voltar para o Piocerá 2011 foi o que muitos exprimiram após receberem suas medalhas. “Prova nota dez, espetacular, trilhas lindas. A navegação puxada, não foi uma prova completamente difícil, mas adorei vir pela primeira vez, o pessoal muito receptivo, as crianças paravam e gritavam, foi muito bom isso. A organização é muito grande e fez tudo para atender bem a gente. Espero poder voltar”


O cantor Leoni, ex-Kid Abelha arrancou suspiros e aplausos dos competidores do Rally Cerapió 2010, gente de 23 estados e da Suíça, Itália e França. O show do artista, aberto pelo cantor parnaibano Teófilo Lima, foi um presente da organização do evento para os participantes que comeram poeira, lama e chuva durante quatro dias de prova de Fortaleza-CE até Luís Correia- PI.  Leoni cantou sucessos dos anos 80, como Garotos. O show aconteceu antes da festa de premiação dos campeões do Cerapió, no SESC Praia, no sábado (30), em Luís Correia- PI.
Com isso o Cerapió 2010 consagrasse como o melhor de todos. Muito além de um Rally !

2011: Na Rota das Emoções...

O Rally Piocerá 2011 teve inicio nos dias 23 e 24 de janeiro com vistoria médica e técnica e largada promocional na cidade de Teresina, no Jockey Clube do Piauí e contou com um grande número de espectadores das mais variadas classes sociais, todos fascinados com a estrutura do evento e das equipes participantes.


            Promovendo seu lado social, o Rally Piocerá na sua 24ª edição , arrecadou mais de uma tonelada de alimentos que foram entregues ao  o Lar da Esperança em Teresina, entidade que cuida de pessoas com HIV e  juntamente  com a Houston Bike também fez a doação de um quadricíclo para o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO), que ajudará na fiscalização e controle do Parque Nacional de Jericoacoara.


            No dia 25, primeiro dia de prova os competidores largaram debaixo do mais novo ponto turístico da capital piauiense, a Ponte Estaiada e seguiram em roteiros diferente, a competição desde o começo já prometia muita emoção, desafios, adrenalina e com certeza muita lama e riachos cheios, pontes quebradas o que fez muitos pilotos chegarem tarde da noite e outros nem chegarem, na cidade de Barreirinhas - MA.


A prova de Bike teve o percurso até a cidade de União numa trilha que começou pelos canaviais da usina de álcool- CONVAP e seguiu margeando o rio Parnaíba, divisor natural entre os Estados do Piauí e Maranhão.
O ponto que marcou o primeiro dia fora a travessia do rio de balsa entre as cidades de Miguel Alves e Duque Bacelar.

 

            Dia 26 de Janeiro, segundo dia de competições do rally Piocerá 2011 começou em Barreirinhas, município ao norte do Maranhão, que abriga o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses e que está localizado há 272 km de São Luis. Uma dificuldade encontrada pelas equipes no segundo dia foram as trilhas de areia pesada e ainda com vários riachos cheios e mais o sol forte que causou um cansaço fadigante aos competidores.  A passagem pelos pequenos lençóis maranhenses, a travessia das dunas foi o ponto alto do dia. As equipes de resgate médico tiveram muito trabalho, restabelecendo os participantes para que todos pudessem finalizar o percurso que aconteceu no Porto das Barcas em Parnaíba (PI). A equipe Força e Ação de São Paulo encantou a multidão que vibrou com as manobras radicais, além disso, aconteceu também um show de reggae com a banda parnaibana Cabeça Ativa; muita musica, muita gente bonita, a cidade estava em festa e os hotéis todos lotados com a passagem pelo terceiro ano consecutivo do  Rally Piocerá.


            A prova de bikes teve um roteiro pra lá de paradisíaco, a organização preparou um deslocamento de barco pelo Rio Preguiça desde Barreirinhas até a Praia do Caburé, um passeio de duas horas e meia descendo o rio rumo ao Oceano Atlântico. Uma viagem que ficou na história do rally.  A partir do Caburé, esperaram a maré baixar e pedalaram até a cidade de Paulino Neves e depois até Tutóia, local de encerramento do 2º dia de competição para as bikes.

            No dia 27 de janeiro o Rally Piocerá ferveu, a temperatura estava 35º na sombra e o sol iluminou a trilha entre os municípios de Parnaíba (PI) e Ubajara (CE). O  destaque do terceiro foi a subida da Serra da Ibiapaba com seus  900 metros acima do nível do mar. Um outro local  que ficou marcado principalmente para os participantes na modalidade motos foi a subida da Quatiguaba que fica entre as cidade de Viçosa e Tianguá , antes da subida tinha um rio com correnteza e liso onde muita gente escorregou e depois uma  subida de pedras soltas e muitos batentes , que fez muita gente boa suar a camisa e perder preciosos pontos.


Já as bikes pedalaram de Cocal, no Piauí até a cidade de Viçosa do Ceará, um percuso longo e muito cansativo. À noite, mais um briefing com todos os participantes da prova de regularidade no hotel Pousada das Neblinas em Ubajara com a presença da Secretária de Turismo do município que recebeu da organização um trofeú..


            Dia, 28, último dia de prova. Largada aconteceu de manhã cedo de Ubajara com destino a Jijoca de Jericoacoara, o dia amanhecera nublado de tal forma que não se dava pra ver mais do que uns 50 metros a sua frente. Logo no início da manhã a organização um surpresa para as motos; A descida do Morcego com 10 quilometros e 64 cotovelos, curvas e batentes de ladeira abaixo, agora estavam descendo a serra da Ibiapaba ou Serra Grande como é conhecida popularmente.  Os 4x4 e os quadriciclos fizeram um outro percurso mais tranquilo, porém muito técnico com muitos laços e balaios e onde era preciso toda atenção do mundo pra não se perder. 


Já as Bikes, largaram  da Serra da Meruoca em direção a Jijoca de Jericoacoara, um roteiro atravessando o sertão cearense, cortando estradinhas, vilas e povoados. muita Neste dia um chuva torrencial pegou todos  de surpresa o que terminou aliviando o calor..


Após  Viçosa do Ceará mais uma serra para as motos: “Boqueirão dos Almeidas”, daí em diante dois roteiros, sendo uma para os master, senior, executivo e over e outro para juniors, novatos, duplas, quadriciclos e carros 4x4 até se encontrarem novamente na cidade de Granja- CE. Essa subida deu uma dor de cabeça danada, fazendo com que muita gente desistisse de subi-la devido a forte chuva que caía e as pedras soltas e batentes existentes nos seus 1.800 metros de subida e 1,950 metros de descida de cascalho solto de vários cotovelos muitos cansativos.


A chegada em Jijoca de Jericoacoara foi uma das mais emocionantes que já aconteceu entre todas as edições, uma multidão estava presente e o prefeito  pessoalmente entregou as medalhas de honra ao mérito a todos os participantes; a população estava eufórica e   foi ao delírio com o show de  manobras radicais da equipe Força e Ação. Após esse momento de festa e de confraternização , todos os competidorese equipes de apoio fizeram um deslocamento pela  praia do Preá até Jericoacoara, ponto final da 24ª edição do Rally Piocerá.


            No sábado dia 29 por volta das 18:30 horas começou a festa de premiação na Pousada Hipopothamus em Jericoacoara com a presença de autoridades municipais e do Secretário de Esportes do Estado do Ceará, Gony Arruda. Todos os campeões receberam trofeús especiais e mais uma bicicleta de modelo exclusivo criada e fabricada pela Houston Bike especialmente para o evento.
            Mais uma vez o Rally em sua 24º edição foi um sucesso. O Piocerá reuniu uma caravana de mais de  mil pessoas, onde estiveram presentes também  35 jornalistas de todo o país.

  • Honda
  • Tac Motors
  • Houston
  • Governo do Estado do Piauí
  • Governo do Estado do Ceará


Listar todas
Colaboração Supervisão Parceiros Organização Realização

ENDURO RALLY PIOCERÁ 2013 Copyright 1987 - 2013 Radical Produções
Rua Breno Pinheiro, 202 Bairro: São Cristovão Teresina-Piauí, Brasil CEP 64056-010
Fone/Fax 86 3231 0910 / 86 9921 8564 (TIM)/ (86) 8847-0308 (OI)